O gama de entrada Samsung

O Samsung Galaxy A10 é o primeiro smartphone de uma longa lista da gama A da Samsung. Esta é a mais popular linha de smartphones da marca e durante duas semanas estive a testar este smartphone.

Antes de começar, é importante referir que foi um grande desafio para mim, uma vez que o meu smartphone pessoal é um Samsung Galaxy Note10+. Para este teste, durante a primeira assumi que não ia usar de todo o Note em detrimento apenas do A10. Vamos começar pelo inicio e desde já pelas diferenças entre os dois.

O Unboxing

Quebrados os dois selos da caixa, o unboxing é apesar de simples interessante. Tudo está bem colocado na caixa, bem encaixado com um puzzle feito à medida. Depois de deslizada e tirada a capa em forma de manga, a primeira coisa que nos é mostrada é o smartphone que vem pousado na caixa, seguido dos separadores para os acessórios que estão por baixo. Headphones com jack de 3,5mm, o carregador (não rápido), um cabo (do século passado) Micro-USB e o ejector da bandeja de SIM.

A gaveta de SIM é um agradável surpresa

Tudo começa bem logo com a mudança de cartões SIM, pois o Galaxy A10 tem uma coisa que o Galaxy Note 10+ não tem: uma gaveta tripla – SIM 1+ SIM 2+ MicroSD, tudo na mesma bandeja. Se por um lado adoro a inclusão desta característica e gostava muito que o Note a tivesse, por outro lado, o armazenamento do Galaxy A10 é de apenas 32GB. Dito isto, vamos às especificações:

  • Ecrã LCD Infinity-U de 6,2 polegadas, HD – 720p
  • Processador Exynos 7884 – Octa-core (2x 1.6 GHz + 6x 1.35 GHz)
  • 2 GB RAM | 32 GB Armazenamento
  • Bateria de 3.400 mAh
  • Camera principal de 13 MP e selfie de 5 MP

Se nada nesta lista parece ser muito interessante, pois tens razão, pensei o mesmo. Mas a realidade é um bocado diferente do que os números nos dizem e cada vez mais nas entradas de gama.

A configuração inicial é simples e tipico Samsung e Android

Ao ligar o dispositivo tudo funciona bem e uma vez que já tenho uma conta Samsung, acedi aos meus backups e restaurei todas as minhas apps a partir da Cloud para o A10. Este processo é moroso e implica ter uma ligação Wifi.

Passado este processo inicial é altura de activar a segurança biométrica no dispositivo e logo aí há algo que não parece certo. Não há sensor de impressão digital no dispositivo nem capacitivo, nem baixo do ecrã. Em vez deste método e, para além dos clássicos PIN e Padrão, podemos escolher o reconhecimento facial, que funciona através da camera frontal do equipamento.

OneUI abordo num ambiente que já me é familiar

Configurações básicas fora do caminho, foi tempo de saltar de cabeça para aqueles mimos e características adicionais que a Samsung já me vem habituando. Em primeiro, a navegação por gestos ajustável à maneira que eu gosto, em segundo a duplicação de aplicações de sociais como Facebook, Facebook Messenger, WhatsApp e Skype e, e…. infelizmente as semelhanças acabam aqui…

Apesar do aspeto semelhante e da partilha gráfica e funcional de maior parte das aplicações de menus dos dois dispositivos, o Galaxy A10 perde muitas das funcionalidades acrescidas ao Android que eu gosto no Note e que o distinguem de outros Android do mercado. Claro que temos sempre de ter em conta que a diferença de preço entre os dois dispositivos.

As diferenças fazem-se sentir também nas pequenas coisas

Uma das características que tem vindo a crescer no mundo da tecnologia é a continuidade entre dispositivos da mesma marca, designado muitas vezes como Ecossistema. No caso da Samsung, uma das apps mais importantes, na minha opinião, chama-se Samsung Pass. Esta aplicação armazena as autenticações que lhe pedirmos à semelhança do KeyChain da Apple.

Assim, na transição de dispositivo, as passwords vão contigo e apesar de um login inicial ser necessário a iniciar as apps pela primeira vez, esta aplicação sabe as combinações por ti e uma vez validando a tua conta inicialmente, deverias ser capaz de avançar pelos logins sem grande problema. Contudo, esta app não está acessível ao A10. Com isto, quero dizer que tive de introduzir todas as minhas passwords de novo no smartphone manualmente.

Este é apenas um dos exemplos das coisas que não funcionam no A10 e são talvez uma tentativa da Samsung de separar as várias gamas de produtos, mas há outras coisas que já tomo como garantidas num smartphone, mas que estão em falta no A10:

  • Falta o haptic feedback, ou vibração com o uso do teclado
  • Filtro de luz azul não dá para automatizar nem ajustar a densidade. Por vezes tem alguns bugs em que não cobre o ecrã inteiro, após rotação do dispositivo.
  • Não dá para activar o deslizar de qualquer parte do ecrã para o painel notificações
  • Não tem duplo toque no ecrã para activar (double tap to wake)
  • Não tem opção ecrã sempre ligado – always on display 
  • Não tem controlo imediato sobre as capturas de ecrã (screenshots) logo quando tiras. Tens de ir ao panel de notificações para carregar no atalho, ou ir à galeria para editar ou partilhar
  • Não dá para ajustar o display na calibração de cor ou tipo de tons

As grande diferenças – características da entrada de gama

Esta comparação é bastante desequilibrada, mas também não é disso que se trata. Quero apenas ilustrar aquelas que são as diferenças entre as duas pontas opostas do espectro dos smartphones Samsung e no final de contas reflectir se tais diferenças práticas justificam a discrepância de preço e se o A10 justifica o seu valor face ao que tem para oferecer.

Em cima falo dos intangíveis. Daquelas coisas que só com um uso continuado te dás conta e ainda coisas que não sabes que existem se nunca tiveste uma experiência diferente. Este pode ser o teu primeiro smartphone, ou pode até gastar dinheiro num smartphone não ser uma prioridade para ti. Queres o básico e mais nada.

Independemente do porquê de considerares o Samsung Galaxy A10, estes são os pontos de que não gosto, ou deixam a desejar:

  • É lento a desbloquear
  • O brilho automático não é muito bom
  • A distância física entre o vidro e o display é grande
  • Tem uma ligeira sombra a volta do bezel em cima e da camera de selfie
  • A colocação da coluna de som na parte traseira é um problema quando o smartphone está pousado em qualquer superfície mole
  • Apesar de não ter uma construção em vidro, é um íman de impressões digitais. Tanto no display, como na parte traseira. Parece falta uma camada oleofóbica
  • Não tem um LED de notificações, mas o Note também não
  • Não tem carregamento sem fios
  • O multi-tasking não é incrível, apesar de fazer split screen. Consequência de ter apenas 2GB de RAM
  • Abrir definições de aplicações em ecrã completo, a aplicação termina sempre. Por outras palavras crasha.

Para acabarmos em nota alta, os seguintes são os pontos de mais gosto e alguns são até incríveis quando consideramos o preço:

  • A bandeja de SIM é dividida em 3. SIM1, SIM2 e cartão MicroSD
  • A bateria é boa. Tendo tirando o smartphone do carregador pelas 8:00h, em três dias de uso atipicamente pesado, o resultado ao fim do dia pelas 0h foi de 20%, 38% e 15% com cerca de 5h de ecrã ligado
  • O software da Samsung OneUI mantém os advanced features como a restante gama Samsung, como o Dual Messenger, que permite ter duas aplicacoes de Social Media instaladas ao mesmo tempo, como o Whatsapp ou o Facebook.
  • Navegação do OneUI por gestos em vez dos tradicionais três botões do Android.
  • Construção baseada no modelo unibody: a capa traseira de plastico dá a volta inteira até ao encaixe do display que resulta numa forma confortável de ter na mão, quer seja para fazer chamadas, escrever mensagens e claro navegar no Instagram ou Facebook.

Conclusão:

Os pontos chave a reter do Samsung Galaxy A10 são que apesar do baixo preço, grande parte do que constitui uma boa experiência Samsung está presente aqui, desde as características adicionais que a Samsung dá ao OneUI, como a boa bateria, uma boa calibração de cor do display e a sólida construção do equipamento. Todas estas são características que o mais básico dos utilizadores irá dar valor, para o facto de ter opções que nem no Galaxy Note estão disponíveis, como o facto de poder ter dois cartões SIM e ainda ter também um cartão MicroSD. 

Em suma, apesar de ser um segmento de mercado de bastante preenchido, este Galaxy A10 bem bons argumentos a seu favor e apesar de ter bastantes compromissos para o preço, o resultado final é bastante satisfatório.

Encontra o Samsung Galaxy A10 aqui e o Samsung Galaxy Note 10+ aqui.

Close Menu